quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Mesmo a sair de 2009

Assim chego a este final de ano com a notícia e a divulgação de um dos últimos álbuns nacionais a serem editados em 2009. Aqui o faço por várias razões:

. Porque fazem música boa.

. Porque são rapaziada boa.

. Porque é malta da cidade onde vivo.

. Porque até aqui toca quem já ensinou música aos meus filhos.

E, sobretudo, porque assim vale a pena ocupar o tempo, os palcos e os estúdios, mais o espaço que lhes queiramos dar para os ouvir e divulgar.

Comprei-lhes um CD, na altura em que eles se aventuraram a gravar o primeiro álbum. Agora, conto ir vê-los apresentar o segundo, já com o patrocínio de gente de peso no jazz - Maria João e Filipe Melo.

Desejemos-lhes as maiores desbundas, aos Desbundixie.

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

As escadinhas do Hot

Desde 1948 a dar-nos jazz, acabou hoje o Hot Clube de Portugal, tal como o conhecíamos. O prédio onde está instalado ardeu esta madrugada.

Fica o espólio - que estava já a salvo - e a nostalgia de muitas noites e companhias de outros tempos.

E não acabará a mística do HCP!

domingo, 20 de dezembro de 2009

sábado, 19 de dezembro de 2009

Clima de vergonha

Um objectivo, sem acções nem responsáveis!

Aquilo a que seja quem for que esteve reunido em Copenhaga chegou é uma vergonha que eu não supunha possível.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Manufactured Landscapes

"Nickel Tailings #34" Sudbury, Ontario, Canada

Na altura em que decorre em Copenhaga a Cimeira da ONU sobre alterações climáticas foi através de uma coincidência oportuna que conheci o trabalho do fotógrafo canadiano Edward Burtynsky. Apesar de serem dois temas distintos, estes têm, apesar disso, uma ligação que vem do facto de Burtynsky fotografar indústrias e obras de (muito) larga escala, das quais revela não apenas o seu gigantismo mas também o grotesco e a dimensão das suas consequências.

A fotografia documental de Burtynsky valeu-lhe já em 2005 a atribuição de um prémio TED. O seu trabalho, apropriadamente realizado em grande formato, está focado em actividades capazes de transformar as paisagens natural e humana, como são os casos das indústrias de manufactura em larga escala, da construção pesada, da extracção ou da reciclagem.

Foi em busca destes aspectos que Edward Burtynsky viajou em 2005 pela China e Bangladesh, visitando fábricas, aterros, estaleiros navais, obras e sucatas. Desta viagem resultou 'Manufactured Landscapes', um documentário realizado pela também canadiana Jennifer Baichwal, que acompanhou e registou o trabalho do fotógrafo.

"Manufacturing #18", Cankun Factory, Zhangzhou, China

Em ‘Manufactured Landscapes’, a dimensão dos objectos retratados, o olhar demorado da câmara e os comentários em voz off de Burtynsky são propícios à meditação. O plano inicial, por exemplo – um imenso travelling ao longo de linhas de montagem de uma fábrica de produtos eléctricos na China, na qual trabalham cerca de 17000 pessoas – demora quase 8 minutos!

"Manufacturing #17", Deda Chicken Processing Plant, Dehui City, China

Para além da dimensão estética e do impacto visual, estes dois trabalhos reunidos num só – a fotografia e o documentário – levam-nos a reflectir acerca das implicações das duas últimas décadas de industrialização e de globalização.

"Nanpu Bridge Interchange", Shanghai, China

Dá que pensar o testemunhar da realidade de adultos e crianças envolvidos na escolha de sucata, no desmantelamento de navios, ou na extracção de metais pesados e componentes do chamado “e-waste” – o lixo electrónico dos aparelhos que usamos, entre os quais estão os 50% de computadores de todo o mundo que voltam para a China para serem (mal) reciclados.

"Shipbreaking No. 30", Chittagong, Bangladesh

Dá que pensar a forma como na Ásia é feita – e como é paga – a produção de milhões de artigos de todo o tipo (como, por exemplo, os mais de 75% por cento dos brinquedos ou os 90% de decorações natalícias de todo o mundo que são feitos na China!).

Dá que pensar porque é que as corporações, empresas e governos ocidentais continuam a deslocalizar fábricas, não apenas porque nesses locais se produz barato, mas também porque nesses sítios se polui – e literalmente mata – “de borla”.

"Bao Steel #8", Shanghai, China

É útil ver este documentário e encarar algo que muitos de nós desconhecemos ou apenas subestimamos. Porque "Manufactured Landscapes" nos faz reflectir nos ciclos económicos e, logo, nos ciclos sociais e demográficos que esta realidade já nos impôs.

Uma realidade que, apesar de mal a conhecermos, está a moldar o nosso futuro.

domingo, 13 de dezembro de 2009

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Pedra



(fj) Serra dos Candeeiros, Março de 2008

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

The Last Of The Melting Snow

E-mail amigo cuidou de mos apresentar.

Fazem acompanhar-se de instrumentos nem sempre habituais (flauta, bandolim, violino, glockenspiel, violoncelo, outros).

Criam uma sonoridade e um universo de canções alternativos que trazem frescura ao pop-folk.

Ouvi-os e gostei.

Chamam-se "The Leisure Society" e fazem canções assim.

domingo, 6 de dezembro de 2009

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Lovisa, que é como quem diz Luísa

Gosto de descobrir coisas de que gosto, como aqui foi o caso. E nem é essencial que sejam coisas extraordinariamente boas, basta-me que sejam boas o suficiente para que as ponha aqui - como foi o caso.

Gosto da simplicidade desta voz e gosto do nome Luísa, mas em sueco. Vai daí, comprei o álbum e aqui o trago.

Deve ser problema meu - I fall in love too easily.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

E vão 2

Em Abril foi no Coliseu dos Recreios.

Hoje, no Grande Auditório da Fundação Gulbenkian - Gustavo Dudamel e a Orquestra Juvenil Ibero-Americana.

Ou seja, Dudamel, 2 - fj, 0.

domingo, 29 de novembro de 2009

Decoro

(fj) Porto de Mós, Agosto de 2009

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Novos cantos

Versões modernas de um canto antigo - "Canto de Ossanha".




O mais popular dos afro-sambas compostos por Vinicius de Moraes e Baden Powell e editados em 1966.






Aqui por vozes brasileiras de hoje - pela já conhecida Paula Morelenbaum e pela nova e interessante Daúde.



segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Time After Time


(fj) Figueira da Foz, Agosto de 2009

Erin Bode (voz), Bruce Barth (piano), Larry Grenadier (contrabaixo), Adam Rogers (guitarra acústica), Jerry Barnes (voz)

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Transvoid

.

> Roderik Henderson, Sony World Photography Awards 2009 first place winner for Portraiture in the Fine Art category.


> "Transvoid" features a series of large scale photographic portraits of individuals sheltering in their vehicles at snow covered parking lots in British Columbia.


© Roderik Henderson


© Roderik Henderson


© Roderik Henderson

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Esplendor

Penso que não fui só eu a achá-los apenas giros. Ao princípio achava-os isso mesmo, mas não mais do que isso, giros. Um divertido agrupamento de 11 ou 12 elementos, uns tipos com um ar e uma sonoridade retro, com a particularidade de terem uma vocalista a cantar muito, muito bem - à parte pequenos tiques ou desvios da pronúncia - em quatro ou cinco línguas diferentes.

Agora conheço-os já melhor, em particular as suas duas peças chave: o pianista Thomas Lauderdale, com o perfeccionismo dos seus arranjos e (re)criação dos temas, e a voz mais que perfeita da sua vocalista - China Forbes.

Os Pink Martini lançaram um novo álbum que contém, diria eu, quatro ou cinco músicas que se podem tornar, se não inesquecíveis, pelo menos daquelas que nos irão deliciar e acompanhar por bastante tempo.

Como, por exemplo, este novo original de Forbes/Lauderdale, "Over The Valley". Um esplendor.

Woman In Chains

Canção magnífica, empolgante, metade Tears For Fears, metade (ou mais) Oleta Adams. Esplêndida.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

E por falar em Frank McComb...

Deixo-vos com o tema "Left Alone", retirado de um extraordinário álbum, "Live In Atlanta, Vol. 1", a minha surpresa e encantamento dos últimos dias.

Agora vou para os confins da Renânia do Norte-Vestefália, de onde voltarei lá para o final da semana.


domingo, 8 de novembro de 2009

Good Times

Para uma semana que se anuncia difícil, um tema com 'bom feeling'. Esperança que chega no novo álbum de Richard Bona.

Richard Bona (coros, baixo, teclados, guitarras, percussões), Frank McComb (voz e coros), Gregoire Maret (harmónica), Michael Rodriguez (trompete), Bob Reynolds (saxofone), Marshall Gilkes (trombone), Obed Calvaire (bateria)

Herr G.

Chama-se "51.11" este disco de Ramón Galarza ("Herr G."), primeiro álbum em nome próprio, lançado aos 51 anos e 11 meses.

Não sendo extraordinário é bom, repleto de gente que sabe muito de música.

Curioso lançamento este, de cuja receita metade irá reverter para a instituição de solidariedade "Ajuda do Berço".



zé nabo (baixo), filipe raposo (piano), manuel paulo (clavinet, melódica, orgão), rui veloso (guitarras), joão cabeleira (guitarra - solo 2), miguel gonçalves (trompete), guto lucena (saxofone tenor), rui gonçalves (trombone), ramón galarza (bateria, wurlitzer, sintetizadores, percussões)

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Mehldau + 2

(fj) Brad Mehldau, Alcobaça, Novembro de 2009




O tema de que mais gostei, num concerto que teve tudo de bom. Músicos inspirados, excelente som, piano afinadíssimo, companhia boa.

Sobre os músicos: Jeff Ballard, sóbrio mas criativo. Larry Grenadier, diligente e com uma técnica cada vez mais forte.

Brad Mehldau, para além da inspiração e da sua estética própria, fica-me deste concerto – o primeiro que vejo dele – uma sensação curiosa, a de que ele alberga dois solistas diferentes, um em cada mão. Frequentemente o piano me soou como se estivessem a tocar duas entidades distintas, em diálogo, umas vezes justapondo frases, outras vezes em contraponto.

Fico na dúvida sobre de onde provém esta sensação, se de quem toca ou de quem escuta.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Está explicado

Aqui está: a primeira fotografia saída da investigação que está a decorrer ao incidente com o voo da Northwest Airlines que, por alegada distracção dos pilotos, passou 240 km para além do aeroporto de destino, Minneapolis.

Entretanto tinha já voado durante 91 minutos sem comunicar com o controlo de tráfego aéreo!

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Coincidências

Em menos de duas semanas saíram dois novos CD's de dois nomes grandes (cada um no seu recanto), contendo o mesmo adorável e, pelo menos para mim, obscuro tema.

Gosto muito, deste e do outro.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Up, up and away

(fj) Monte Real, Julho de 2009

domingo, 25 de outubro de 2009

O seu a seu dono

"What a Fool Believes", de novo, mas agora pelos seus dois autores dois - Kenny Loggins e Michael McDonald.

(que nostalgia esta que me dá ao ver etiquetas assim)

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Mingus

De saída para a Mingus Big Band. Espera-se hoje grande música em Leiria.

Trumpets:
- Greg Gisbert
- Avishai Cohen
- Tatum Greenblatt

Saxophones:
- Craig Handy
- Seamus Blake
- Scott Robinson
- Wayne Escoffery
- Jason Marshall

Trombones:
- Ku-umba Frank Lacy
- Conrad Herwig
- Earl McIntyre

Bass: Boris Kozlov
Piano: Kenny Drew Jr.
Drums: Donald Edwards

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Outro mundo

A única vez que os vi, há já uns bons 10 anos, no Auditório da então recém inaugurada Biblioteca Municipal de Pombal, achei que eram uma coisa do outro mundo.

Fui para o concerto sem qualquer tipo de expectativa ou de preparação prévia. Apenas me tinham dito que devia ser uma “coisa gira”, uns cantores... assim, tipo “músicas do mundo”.

Apagam-se as luzes e entram no palco 4 homens, de ar simpático mas rude, vestidos com trajes tradicionais da sua terra natal, a Sardenha. Formam entre si um pouco mais do que um semicírculo, de olhos quase fechados, encerrados em si mesmos, e começam com isto.



É impossível ficar indiferente ao ouvir-se, e em especial ao presenciar-se, o canto a tenore. Assim se chama o canto polifónico de Bitti, na Sardenha, uma tradição com milhares de anos e classificada pela UNESCO como património imaterial da humanidade.

É um caso interessantíssimo de harmonia vocal compacta, com alterações bem marcadas de tonalidade, e um dos poucos exemplos de música tradicional que incorpora canto gutural e harmónicos vocais (onde uma nota fundamental e um harmónico são emitidos em simultâneo, neste caso harmónicos inferiores).

Não se ouve facilmente, é claro, mas vale a pena conhecer e perceber quais as suas regras.



Naquela noite saí do auditório ainda meio aturdido, comprei-lhes um CD, claro, e ficou claro também que eles eram - são mesmo - de outro mundo.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Oh!

Uma música de Primavera para um fim-de-semana de Outono-quase-Verão. Os “Real Combo Lisbonense” aparecem a recuperar sonoridades e êxitos dos grupos e salões de baile dos anos 50 e 60.



Bom fim-de-semana, se não nos virmos antes.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Grande canção, voz e guitarra



Uma grande canção - escrita por Tony Joe White, que deu canções a meio mundo e que acabou sem casa e instrumentos pelo meio do furacão Katrina.

Uma grande voz - que já não surpreende por ser tão boa, mas que com o passar dos anos ganhou a textura e o respeito da idade.

Uma grande guitarra - evidentemente!

Do melhor que se encontra no novo álbum de George Benson, 'Songs And Stories'.

Dia e noite no rio



(fj) Figueira da Foz, Novembro de 2007

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

O futuro passa por aqui

Jazz contemporâneo, tocado por 4 músicos excepcionais.

Joe Locke em vibrafone, é hoje incontornável, tão exuberante aqui - veja-se como ele se entrega durante todo o tema - como impecavelmente lírico noutras ocasiões.

Geoffrey Keezer (piano), musicalmente cultíssimo, um dos últimos "young lions" a sair dos Jazz Messengers de Art Blakey. Solo quase todo em stacatto e com referências de hard-bop de quem sabe a sério. Todos os mestres bem estudados.

Mike Pope (contrabaixo), a fazer lembrar Dave Holland no timbre e na solidez.

Terreon Gully (bateria) é um monstro absoluto. Baterista imprescindível que sigo desde que o conheci, na altura a acompanhar outro vibrafonista da nova geração - Stefon Harris. Tão capaz da mais bruta força como da mais fina subtileza (embora aqui pareça mais potente do que subtil).

Gente que garante o futuro, para eles e para nós.

domingo, 4 de outubro de 2009

Flor de sal

(fj) Figueira da Foz, Agosto de 2009

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Hoje vi o chão coberto de folhas



Tierney Sutton, voz; Christian Jacob, piano; Trey Henry, contrabaixo; Ray Brinker, bateria

sábado, 26 de setembro de 2009

Manhã de Sábado

(fj) Leiria, Fevereiro de 2009

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Atenção, muita atenção

Ivan Lins tem novo álbum e este está cheio de aspectos que merecem uma referência.

1. Primeiro álbum do Ivan Lins com orquestra.

2. A orquestra é a Metropole Orchestra, aquela que provavelmente terá hoje em dia a melhor nota global, entre qualidade, diversidade e a quantidade de trabalho produzido.

3. Os arranjos (a maior parte) e a direcção são de Vince Mendoza, pois claro.

4. Uma das faixas - "O Fado" - foi composta por Paulo de Carvalho e Dulce Pontes e é cantada por Paulo de Carvalho e Ivan Lins.

5. O álbum está nomeado para um Latin Grammy Award na categoria "Best MPB Album".

Chega, há mais, mas estes são já factores de sobra para motivar uma audição e uma compra inevitável.

Vamos à audição. Primeiro "O Fado", claro, e depois um tema poderosíssimo, - "Ai, Ai, Ai, Ai, Ai" - com toda a Metropole a levar a música em ombros e a fazer com ela uma festa.

Uma pura e extraordinária conjugação de talentos, trata-se evidentemente de um disco imperdível.



terça-feira, 22 de setembro de 2009

2 x 50 Ways to Leave Your Lover

E agora isto. Primeiro um original impecavelmente tocado pelo seu autor, com a sua banda formada pelos melhores dos tubarões (veja-se o trabalho de Steve Gadd e de Alain Mallet, ambos espantosos).

Depois, por um trio apenas (mas com alguns dos melhores tubarões, Larry Grenadier e Jeff Ballard, que há um ano vi com Mark Turner em "Fly").

Classe, em ambos os casos.



sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Masters at Work

Muitos conhecemos o tema original - e em especial esta versão - há imensos anos. Pela minha parte ela acompanha-me há muito e poderia até dizer-se que cresci um bom bocado a ouvi-la.

Apesar disso, só há dias fiquei a saber (e confirmei) que, ao longo destes 6 minutos e uns poucos 3 segundos, Bill Evans percorre todos os tons da nossa dodecafónica escala.


É caso para dizer, o bem que o jazz faz às músicas!

"Theme from M*A*S*H (aka Suicide is Painless)"
Bill Evans (p), Eddie Gomez (cb), Eliot Zigmund (bt)


domingo, 13 de setembro de 2009

Blast from the past

'Haircut 100', estão longe de serem consensuais, bem sei, mas eu gostava (e gosto) deles à brava! O vídeo e o seu gosto duvidoso do início dos anos 80 é compensado pela qualidade da composição (bem interessante) e dos arranjos.

Não há aqui - tal como mais tarde com os 'Tears For Fears' - muito daquilo que antes os Beatles tinham trazido?

Agora vou uma vez mais até às margens do rio Lahn. Volto quinta-feira, com novidades.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

domingo, 6 de setembro de 2009

Como melhor explicar a política às crianças: um caso prático

Há já muito, muito tempo, a minha filha começou a perguntar-me quando é que afinal teremos cá em casa um dos tais computadores a que, caso o quisessem, as crianças em Portugal poderiam vir a ter acesso.

Mais de um ano passou e alguns milhares de crianças portuguesas - e muitas outras venezuelanas - receberam os seus "Magalhães". Cá por casa, nada.

Na edição online do Público leio hoje que, de acordo com uma fonte do Plano Tecnológico da Educação (PTE), "A manutenção dos programas e-escolinhas e e-escola, que permitem aos alunos comprar um computador com ligação à Internet - o famoso Magalhães para os estudantes do 1.º ciclo e os portáteis para os restantes, do 2.º ciclo ao secundário -, está dependente dos resultados das eleições legislativas e de quem será o novo Governo".

Assim, quando a minha filha me voltar a questionar sobre este assunto dir-lhe-ei a verdade, sem rodeios, que mesmo que não a compreenda agora, lhe permitirá mais facilmente vir a perceber as "verdades" da política.

E nós, os mais velhos, compreendemos assim melhor como é que cedo se começa a instalar a descrença nos políticos.

sábado, 5 de setembro de 2009

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Windmills Of Your Mind (II)

(fj) Agosto de 2009


"The Windmills of Your Mind" (Michel Legrand, Alan Bergman, Marilyn Bergman) do filme "The Thomas Crown Affair" (Academy Award for Best Original Song, 1968)

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Sem título

(fj) Leiria, Novembro de 2008

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Começar de novo...

... é precisamente aquilo que faço de cada vez que termina este "Começar de Novo".

Leonardo Amuedo, uruguaio, guitarrista de Ivan Lins e que tem inúmeras participações por esse mundo fora (Laura Fygi, Dori Caymmi, Dulce Pontes, Trijntje Oosterhuis, Jan Akkerman, Jimmy Haslip...), toca isto assim.

Irra!

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Galileu Galilei

Quatrocentos anos depois das primeiras observações de astros através da sua luneta (1609), é provável que Galileu visse hoje a Lua desta forma.

(clicar na imagem para ampliar)

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Contraponto

Contraponto ao interessantíssimo post do meu dilecto amigo Daniel Abrunheiro. Afinal, o que tem a Nokia a ver com Francisco Tárrega?

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Isto pode não ser o paraíso, mas anda lá perto

Por estas e por outras, Joe Zawinul será recordado como um dos maiores músicos de sempre e um dos que maior legado deixou. Neste concerto, tributo gravado em Janeiro de 2008 em Amsterdão, 3 meses após o seu desaparecimento, Vince Mendoza e alguns dos notáveis alumni de Zawinul retrabalham laboriosamente algumas das suas composições emblemáticas.

Precioso o trabalho de Vince Mendoza mas imperdível o de Alex Acuña (o que apenas um golpe de um dedo indicador consegue fazer por uma música!), o de Peter Erskine (a "varrer" sabiamente o jogo de pratos), bem como o dos restantes músicos.

Ouvir e chorar por mais. Precisamos absolutamente que isto fique disponível em DVD/CD!


A Metropole Orchestra dirigida por Vince Mendoza, com Peter Erskine (bateria), Alex Acuña (percussão), Victor Bailey (baixo eléctrico), Jim Beard (teclados) e Amit Chatterjee (guitarra e voz)

"Elegant People"


"Peace"


"Fast City"


"Jungle book"

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

O velho e o novo




(fj) Figueira da Foz, Agosto de 2009

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Les Paul

"We must all own up that without Les Paul, generations of flash little punks like us would be in jail or cleaning toilets."

Keith Richards




Criador da guitarra eléctrica "solid-body" e da Gibson Les Paul, da gravação multi-pistas e do "overdubbing".

Desapareceu hoje. Obrigado, Les Paul.